quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Padre de Petrolina

Foto by Inah Torres

Engraçado.

O tempo chega pra todos de forma imperiosa. Ele não quer saber se queríamos a sua presença. Ele se faz presente...
Vendo Inah Comvocê hoje (http://www.revistacomvoce.com/), tive imensa e grandiosa alegria em rever Padre Bernardino... Não resisti, chamei minha irmã Kalyne e os dois bestas aqui, em frente a tela, choramos feito crianças. Lembrei de muitas passagens daquele pequeno grande homem que tem uma estatura incomensurável.

Desde a minha infância via Pe. Bernardino como um santo. Crescendo, descobri que ele era um anjo enviado por Deus pra alegrar minhas tardes diariamente, saindo de casa na rua Aristarco Lopes, ao passar na sacada de sua janela quando ‘bom’ aluno ginasial em direção ao Colégio Dom Bosco. Pedir a ‘benção’ a ele regozijava minha’alma, me revestindo de uma “santidade” necessária para tantas peraltices que cometi (ainda as cometo hehehehe). Acho que aprendi com meu avô de saudosa memória – Velho Maneca Dias – a respeitar e confiar em Pe. Bernardino tal qual ele confiava. E hoje, ao rever o histórico Padre, ora Monsenhor da Diocese de Petrolina, senti que meu avô estava certo. Tem gente que exala PAZ. E se tem um ser que consegue realizar esse feito – em um mundo repleto de maldade e violência – ele se chama Pe. Bernardino. E essa virtude é singularmente dele, pelo simples fato desse padre da minha história existir.

2 comentários:

RAINHA MAB disse...

Lindo! Lindo demais esse texto!

Prof. Raimundo Jr. disse...

Fui a uma missa na Matriz de Petrolina. Missa das 5. Quando vi o padre Bernardino, chorei! Foram 12 anos morando fora sem revê-lo.
Chorei de emoção por dois motivos. O 1º por estar revendo o padre que durante algum tempo da minha vida servi como coroinha, e também, por vê-lo tão debilitado pela doença e pela idade. Contudo sei que sua fé em Deus é muito mais firme do que o seu corpo fragilizado pela idade. Naquel dia recebi mais uma lição para a vida pois diante de mim estava um forte.
Ao final da missa, ao perdi tempo, coirri atrás da sua bênção.
É tão bom rever pessoas marcam nossas vidas.

Valeu Sidney pela publicação do texto.

Sou o que me convém ser...

Sou o que me convém ser...